Pular para o conteúdo principal

Tio do dog

Durante o meu primeiro ano inteiro da faculdade, eu e meus amigos sobrevivemos comendo cachorro quente nos intervalos. Todos os dias da semana, sem exceções. A grana era curtíssima, o lanche era bom e o melhor: nunca, nenhum de nós passamos mal. Acho esta estatística bem válida, afinal se o tio não fizesse tudo certo, ou se se descuidasse por um momento, alguém teria tido um dia de rei nervoso.
Desde que nos formamos, vamos até a faculdade de vez em nunca só para matar as saudades desse cachorro quente. Não é nenhuma obra de arte, é simples, bom, bem feito, nostálgico e barato. Sem dizer que é o único de rua que eu como, afinal tenho total confiança nele.


Desta vez os lanches já não eram mais preparados no porta-mala adaptado de um carro. Agora ele tem um carrinho específico para isso, muito profissa! O lanche ainda é feito no capricho e é muito bom. Tem até molho barbecue e 6 opções de escolha, sendo que o ultimate super dogão tem até frango desfiado. o_o
Apesar de tanto upgrade sempre escolho o simples, sem tirar nenhum ingrediente original. Na época que éramos clientes assíduos, ele até sabia qual seria o pedido de cada um!


Outro fato que consolida de vez a confiança no tio é que, depois de tantos anos, ele é o único que ainda está lá no mesmo lugar. Já vimos muitos irem, tentarem e desistirem e só o tio está sempre lá, firme e forte. Se estiver pelas ruas de Higienópolis em horário de aula, com fome e pouca grana, recomendo uma visita no carrinho do tio sem medo de ser feliz!

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: sempre sai satisfeita e sem passar mal!
  • Preju: R$3,00
  • Unidade visitada:
    • Rua Itambé, mais ou menos no número 90
    • Na frente da Universidade Mackenzie
  • Horário de funcionamento: sei que ele está à noite, durante a semana, em período letivo
  • Lotação: 3 banquinhos e muita gente em pé

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…