quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Estância Churrascaria

Estou escrevendo este post só para pontuar que fui nesse lugar! Já aviso que o texto vai ser tão vago quanto os que fiz nas semanas anteriores sobre bares, haha! Fui à convite da família do noivo, então não temos ideia de quanto foi o preju. O que me impressionou muito foi estar aberto em pleno dia de natal e com várias mesas grandes ocupadas - provavelmente muitas famílias de saco cheio de cozinhar. xD


Por increça que parível a minha parte favorita foi a das saladas. Muita variedade (desde folhas até sushis genéricos, coalhada e homus, não exatamente nessa ordem) boa e fresca. Até repeti, ainda mais com aqueles palmitões sorrindo para mim, hehehe.


Já das carnes não posso dizer que foi pura felicidade. Peguei tão pouco que nem deu para tirar uma foto legal (pelo menos não havia nada de muito errado com elas, só a quantidade)! Não passou os cortes que eu gosto mais (leia-se picanha) e até o queijinho só passou uma vez. Em compensação ficavam passando restolhos o tempo todo e sem muitas novidades.

Nunca pensei que diria isso, mas ainda sai com o saldo um pouco positivo por causa das saladas!


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu com pena de não ter se acabado na proteína
  • Unidade visitada:
    • Av. Vereador Jose Diniz, 3271 - Campo Belo
    • (11) 5093-3717
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sexta, das 11:00 às 23:00
    • Sábado e feriados, das 11:00 às 23:30
    • Domingo, das 11:00 às 22:00
  • Site: http://www.churrascariaestancia.com.br

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Manihi sushi

Nunca tinha ouvido falar neste restaurante por também ser fora da minha zona de conforto. Fomos durante a semana e optamos pelo almoço executivo, mais em conta, com alguns itens a menos, limitação de 6 fatias de sashimi e com shimeji cobrado a parte (que não pedimos) por R$56. Nada mal para um rodízio! O que no fim estragou as nossas contas foi a sobremesa, que não sabia que seria tão cara porque nem eram grandes coisas e poderiam muito terem sido ignoradas. =/


Outra coisa que estragou um pouco foi a surdez (não sei exatamente em qual ponto) do atendimento que nos trouxe muita coisa errada. Eu havia pedido sashimi de atum e salmão, e só veio salmão; duas pessoas pediram temakis de atum com maionese, e entregaram salmão com cream cheese (na segunda tentativa veio de atum... com cream cheese!); pedimos sushis de atum, e novamente mais salmão. Para este último foi necessário uma intimidada para que os sushis viessem certos!

Aleluia!

Piorando um pouquinho mais as coisas, o atum não tinha qualidade consistente: ora vinha bonitinho, ora vinha com aquele amarronzado estranho (como dá para ver um pouco nas fotos acima) e não curti muito a modernidade do sushi de salmão com geleia de morango em cima. É demais para os meus padrões orientais velhinhos.


Fora isso o salmão (que eles tanto queriam empurrar para a gente) estava bom, os grelhados também e rodízio de sushi sempre tem o lado positivo de se encher de peixinhos. Só não volto neste aqui nunca mais! xD

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando mas não tão feliz assim
  • Preju: R$187 para duas pessoas, iiick!
  • Unidade visitada:
    • Rua Apinajés, 1359 - Sumaré 
    • (11) 3672-4638
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda, das 19:00 às 23:00
    • Terça e quarta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:30
    • Quinta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 à 0:00
    • Sexta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 à 0:30
    • Sábado, das 13:00 às 16:00 e das 19:00 à 0:30
    • Domingo, das 13:00 às 22:00
  • Lotação: 92 lugares
  • Site: http://manihisushi.com.br

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Veloso Bar

Sim, mais um post de bar, provavelmente o último do ano e mais uma vez por causa do noivo. Para não colocar a culpa toda nele, eu também estava morrendo de curiosidade em experimentar a lendária coxinha do Veloso e não ia lá porque, além do óbvio de não beber, para mim é meio longe e a fila é um saquinho de se enfrentar (pior ainda se for em algum desses dias calorentos de São Paulo): o lugar abria as 16:00, os amigos dele chegaram 15 minutos antes e pegaram a última senha disponível. O resto do pessoal formou uma fila na porta, esperando a boa vontade do pessoal que já havia entrado sair. É muita gente para poucas mesas!

Novamente, não tenho nada a dizer sobre as bebidas e o foco sempre são as comidinhas! A mesa que ficamos era perto da saída da cozinha e tudo saia bem rápido de lá. Começamos com a porção de coxinhas (óbvio) e elas estavam realmente sensacionais! Bom tamanho, recheio bem temperado e úmido, massa boa e crocantinha por fora. Poderia comer tudo sozinha!


Também pedimos bolinhos de camarão, que era bem recheado de camarões que estavam inteiros e eram até que grandinhos, só o rabinho que aparece fora era apenas enfeite; e churros, do tipo pequeno que são de chuchar ao invés de rechear (e que, por mais que nutella seja nutella, ficam bem melhores com doce de leite).


Não encaro fila maluca por melhor que seja a coxinha, mas com certeza encomendo para retirar no balcão algum dia desses. :D


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu feliz porque coxinha foda 
  • Preju: R$97, duas pessoas, só uma bebia pra valer
  • Unidade visitada:
    • Rua Conceição Veloso, 54 - Vila Mariana
    • (11) 5572-0254
    • Opção de delivery ou retirada no balcão caso a fila esteja absurda aqui
  • Horário de funcionamento:
    • Terça à sexta, das 17:30 à 0:30
    • Sábado, das 12:45 à 0:30
    • Domingo, das 16:00 às 22:30
  • Lotação: 60 lugares
  • Site: http://www.velosobar.com.br

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Barnabé

É muito raro ir para a zona norte e quando tive um motivo para viajar até lá não pensei duas vezes: quero conhecer o Mocotó, premiado internacionalmente e blablabla. Chegamos lá depois das 13:00 e... a fila de espera era de 3 horas ou 2 horas e meia no Esquina do Mocotó, que fecharia as 15:00 então nem havia esperança de mesa lá! Sorte que estávamos com um entendedor do bairro e, indo um pouco mais na direção do fim do mundo, fomos ao Barnabé, cujo proprietário é primo do Rodrigo Oliveira (dono do Mocotó) e, tanto ele quanto a cozinheira, trabalharam muito tempo com o Mocotó Master.

O que dizem, e foi o que o nosso guia também acha, é que a pegada e a qualidade são as mesmas, com a diferença que é mais vazio, mais barato e com menos ar condicionado (o que fez muita falta naquele dia!). Não fomos atendidos como reis, pedi um suco de açaí no final que não apareceu (e que também nem foi cobrado então ok) mas pelo menos as comidas chegaram sem muita demora e certinhas e o suco de graviola, que chegou sem problemas, estava bom demais. ^^


Veio tudo de uma vez: uma porção grande de baião de dois, que serviria 5 pessoas, estava tão bom que comi muito mesmo tendo coentro (wow!); linguiça acebolada, que vinha com fatias de pão francês e pimenta biquinho, que nem fez diferença, e estava ótima (acho que foi meu prato favorito); dadinhos de queijo coalho empanados com mel, que estavam mui bacanas mas eu achei estranho comê-los com mel; bolinhos de mandioca e carne seca, que estavam surpreendentemente bons, ainda mais para mim que não sou das maiores fãs de carne seca; e uma porção básica de batatas fritas que não apareceram nas fotos porque eram normais e, por isso, boas como sempre.


Estávamos cheios e mesmo assim pedimos uma sobremesa: sorvete de nata com doce de leite. Suave, fresquinho e tudibom, Pena que eu não tinha percebido que o fundo da taça estava cheio de doce de leite e, àquela altura do campeonato, não tinha como comê-lo puro.


Tudo legal, bom, feliz, com preço simpático e tal, mas para mim é muito longe de tudo que conheço como vida. Uma pena! Para quem está por ali recomendo muito e ainda existem outros restaurantes da família Mocotó para se conhecer - além do próprio, se você tiver disposição de esperar na porta antes que ele abra.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando pra dedéu feliz e surpresa
  • Preju: a conta de 4 pessoas foi de R$230
  • Unidade visitada:
    • Praça Comandante Eduardo de Oliveira, 147 - Parque Edu Chaves
    • (11) 2242-2435
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta, das 12:00 às 23:00
    • Sexta e sábado, das 12:00 à 0:00
    • Domingo, das 12:00 às 17:00
  • Lotação: 160 lugares
  • Visa vale? Sim!
  • Site: http://www.barnaberestaurante.com.br

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Delirium Café

Bares definitivamente não são os ambientes que mais gosto de estar, afinal não bebo e tenho tendências sociais senis (não gosto de lugares cheios de gente e barulhentos). Só mesmo o meu noivo para me fazer ir até o Delirium Café (apesar desse nome, não é um café) e encontrar com os amigos dele!

O sistema não é lá muito eficiente quando se chega ou sai um grupo grande (pior ainda se ocorrer os dois ao mesmo tempo): é preciso fazer um cadastrinho com o seu nome completo para receber um cartão-comanda no mesmo caixa onde se paga, porque só existe um! Achei que tinha demorado um pouco para entrar mas demorei ainda mais para sair, haha. A única vantagem é que cada um paga somente pelo que consumiu e depois se vira com os amigos para dividirem as comidinhas em comum.


Enquanto todas as pessoas que estavam comigo pediam caneconas de chopp (há 24 torneiras deles), eu fiquei com o meu suco de uva integral que estava muito bom - e demorei o mesmo tempo para beber 300 ml dele que os outros demoravam em 1 litro ou mais de chopp. E isso torna este post bem inútil porque não tenho nada a dizer sobre as cervejas e tal, só sei que o cardápio deles é impressionantemente grande!


Meu foco é sempre a comida e as porções pedidas foram todas muito boas! Os pastelzinhos estavam bons, o pout-porri de bolinhos também mas o melhor mesmo foram os mexilhões! Grandes e frescos, vinham em panelinhas sem miséria acompanhados de batata frita (que estavam boas, claro) em um caldo muito gostoso (dava para tomá-lo solo de tão sensacional que era). Foram-se 2 panelinhas para 8 pessoas. Ah, nem sempre eles estão disponíveis, precisa perguntar para o garçom antes.


Deve ser muito bacana para quem curte beber, há bastante lugares inclusive para grupos grandes e não tivemos problemas com atendimento como li em alguns reviews por aí - na verdade o achei muito bom. Pena não ser mesmo a minha praia. xD


Ficha feliz:

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Tigre Cego

Cheguei no Tigre Cego por causa de uma foto que vi de um sanduíche de bulgogi com pão de mochi (sim, isso foi motivo suficiente para querer conhecer o lugar!) e também era perto do lugar onde regularmente tomo chá (fica chique falar assim, hehe). Já adianto que o salão era meio escuro e as fotos de celular ficaram um desastre! Não havia muitos lugares e o achei um tanto quanto barulhento, talvez por falta de espaço para as vozes se dissiparem ou algo assim.

Havia uma geladeira à esquerda que salvou um pouco esta foto

Fomos bem atendidos desde o momento que entramos, quando ainda estávamos em dúvida se iríamos mesmo jantar ali, e nos informaram que alguns sanduíches/tostex poderiam ser cortados em vários pedaços para que todos na mesa pudessem experimentar todos. Boa ideia! Pena que só um dos que escolhemos veio assim, haha. Cada um também veio com uma salada diferente, talvez para harmonizar melhor.

Para beber pedi um dos sucos diferentex do cardápio: puket breakfast (suco de laranja com abacaxi, gengibre e um ramo de alecrim que se retirado a tempo não faz diferença). Carinho e gostosinho, valeu pela curiosidade. Também pedimos uma entrada de batatas normais e doces fritas com ketchup da casa - e batatas sempre são boas.


Claro que pedimos o de Bulgogi (pão de mochi, fraldinha marinada em shoyu, alho, gengibre, pimenta e óleo de gergelim com maionese de wasabi e picles de kimchi), que era bem desajeitado de comer por causa da crocância do pão mas valia o esforço pela carne sensacional; o Bisket de boi (peito de boi assado por 10 horas com cebolas caramelizadas em vinho tinto, provolone defumado e maionese de pimenta à parte) que era realmente muito bom e acabou sendo o meu favorito; e um em formato de wrap de frango com curry que não experimentei de forma alguma por violar minhas regras de ética e conduta (aka odeio curry xD).


No final foram 3 sanduíches para 4 pessoas ficarem satisfeitas na medida, próximo àqueles 80% que dizem ser o ideal para se parar de comer, e a conta não foi muito amigável. A impressão que me passou é que tudo valeu por ser a primeira visita, muita criatividade solta e com tudo acontecendo certinho, mas não tenho certeza se haverá uma segunda.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu satisfeita e aliviada porque a rua era mais silenciosa 
  • Preju: R$44
  • Unidade visitada: 
    • Rua Girassol, 654 - Vila Madalena
    • (11) 3586-8370
  • Horário de funcionamento: terça à domingo, das 19:00 à 0:00
  • Lotação: 47 lugares
  • Site: http://www.facebook.com/tigrecegosp

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Dhaigo

O plano inicial era ter um almoço feliz no Tanuki mas quando chegamos lá eles estavam sem abastecimento de água desde quinta (acontecer isso em um comércio na Vila Madalena é muita sacanagem). Depois de andar sem rumo e fuçar no Foursquare, descobri uma unidade do Dhaigo (que tinha conhecido no Restaurant Week só que em Santana) no Itaim. Mais tarde, procurando informações para fazer a ficha deste post, descobri que ainda há outra no Itaim que parece ser maior.


Esta fica numa rua bem tranquila, quase escondida e não tivemos problema em encontrar lugar para estacionar (ainda mais porque já tinha terminado o horário da obrigatoriedade da zona azul, hehe). O ambiente é ótimo e o atendimento sensacional. O que achamos mais foda foi minha irmã ter perguntado se eles faziam chawan mushi e, mesmo não tendo no cardápio e nem o potinho certo, eles fizeram e estava bom, isso que é flexibilidade!


Optamos pelo rodízio, que tem um esquema igual ao de carnes: a moça passa com uma bandeja cheia de sushis e você pega quais e quantos quiser. Desse jeito eles evitam o desperdício, o valor fica mais barato (R$52 só sushi e R$63 com sashimi à vontade) e ainda cobram 1,50 de cada item que o cliente olho de gordo pegar e não consumir. Só pegamos o shimeji na manteiga de entrada quente e nos enchemos de sushi mesmo. Eles eram bem feitos e de bom tamanho. O meu favorito foi o de salmão maçaricado que vinha com um molhinho e gergelim por cima, perdi as conta de quantos peguei, hehe.


Escolhi a opção com sashimi e não me arrependi. Veio apenas os peixes que eu queria e eles estavam lindos e gostosos. O corte não era exatamente o certo, eram mais finos e o sabor fica mais fraco, mas nada que me fizesse menos feliz.


Para a alegria geral da nação, a sobremesa estava inclusa (opções simples, pelo menos existentes!) e pedi um sorvete de iogurte com calda de frutas vermelhas decente.


Se tornou a minha opção favorita de rodízio de sushi com bom custo benefício, bem localizado e com staff repetaculê! É um dos poucos restaurantes que conheci no Restaurant Week que não me assustou com o preço, voltei e curti. Agora quero conhecer a unidade que falta por pura curiosidade gordinha, hehehe!


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando com dor e feliz \o/
  • Preju: R$75
  • Unidade visitada:
    • Rua Campos Bicudo, 141
    • (11) 2609-2622
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sexta, das 12:00 às 15:00
    • Sábado, das 12:00 às 16:00
  • Site: http://www.dhaigo.com.br