Pular para o conteúdo principal

Pho.366

Cheguei ao Pho.366 completamente de surpresa e jamais esperaria que houvesse um restaurante especializado em pho no meio do Bom Retiro, perto de várias lojas que eu já conhecia antes por serem mais em conta, hehe. Parece que os coreanos curtem muito e daí a localização - o que faz sentido porque onde moro também tem muitas famílias coreanas por perto e... restaurantes de pho.

Para quem nunca ouviu falar no pho: é um prato vietinamita de macarrão fininho a base de arroz em uma sopa que começa com ossos e carne sendo fervidos por muitas horas e geralmente temperado com diversas especiarias como canela, cravo, anis, gengibre, etc. Depois de pronto ainda é possível colocar limão e (ARGH) coentro.


O ambiente é bem clean, moderno e um pouquito apertado. Não enfrentamos nenhuma espera porém o salão estava cheio. Os tipos de prato facilitam que pessoas entrem, comam e saiam rápido para darem lugar à outras pessoas, embora ninguém seja forçado a isso.


Começamos muito bem com um pratão de entrada com verduras, carnes e legumes para serem montados em wrap usando uma "folha" muito fina e transparente feita de arroz. No começo foi difícil montar um decente (aquela tendência gorda de colocar mais recheio que a folha pode suportar), depois de um tempo as coisas ficam mais fáceis. Parece ser muito leve e quando você menos imagina *PAM*, metade do seu estômago já está ocupado!


Não terminamos a entrada e os phos chegaram, lindos, cheirosos e em porções muito generosas. O de frutos do mar era apimentado e eu passei, deixei-o para ser apreciado por quem realmente curte; e comi quase tudo do outro, de fraldinha. A sopa é bem leve e cheia de detalhes ao mesmo tempo; e a carne, cortada bem fininha, continuava seguindo esta linha. E quando você acha que está tudo bem e flutuante *KAPLAM*, seu estômago está inchado e surgem as dúvidas sobre quando você vai conseguir se levantar da mesa.

Recomendo ainda o café vietinamita, que é um café até que fortinho acompanhado de muito leite condensado. Que ideia perfeita, os dois combinam muito bem!


Uma última dica, importantíssima, é que o lugar não aceita cartões de crédito e encontrar um lugar seguro por perto para sacar é bem complicado. Deixe reservado algumas notas na carteira antes.

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando feliz e não fez comprinhas na José Paulino
  • Preju: os phos custam na faixa de R$30, a entrada foi bem cara mas não sei quanto foi. No fim a conta deu mais de R$100 o.O
  • Unidade visitada: 
    • Rua Silva Pinto, 366 - Bom Retiro
    • (11) 3807-6141
  • Horário de funcionamento: 
    • Segunda à quinta, das 11:30 às 15:00 e das 17:30 às 20:00
    • Sexta e sábado, das 11:30 às 15:00 e das 15:30 às 21:00

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…