Pular para o conteúdo principal

Tea Kettle

Última casa de chá que faltava conhecer em São Paulo, uhul! E por motivos óbvios: é preciso encarar um linha da CPTM (que não conseguimos descer na estação que queríamos, passamos e voltamos por causa de pessoas que não desciam naquela estação mas não queriam perder seus privilegiados lugares na porta) e algumas quadras de caminhada.


É preciso tocar um sino para poder entrar, já que a vizinhança é conhecida por ter laboratórios sinistros (pelo menos na minha cabeça). A decoração é toda fofa, puxando praquele lado de "parecer a casa da vovó" - tanto que havia uma mesa de velhinhos xD. Ficamos em uma mesa na parte do fundo, que não recomendamos porque, apesar do jardim ser fofo com aquele verde todo, ele atrai muitos insetos: inclusive pernilongos, que nos comeram vivos.


Por causa da aventura para se chegar até lá, estava com muita sede e pedimos uma jarra de suco de laranja, que valeu muito a pena, muito fresquinho e mais que o suficiente para encher duas pessoas.
Não há menu de chás, a moça vem, nos apresenta 7 tipos, passa o vidrinho para a gente cheirar e a gente escolhe os menos piores. O maior problema aqui para mim é que a maioria envolvia alguma flor e eu não curto muito isso em chá. Na verdade eu não curto a ideia de comer flor no geral!


Escolhemos um oolong que tinha muitas coisas incluindo amêndoas e coco, que não era muito perceptível. Ok, na verdade nada era muito perceptível ali, era muito fraco, talvez devesse ter ficado mais tempo em infusão ou a quantidade de folhinhas não foi suficiente. Se não fosse por isso teria sido um bom chá! O segundo foi complicado, era de maçã verde, prometia, mas o gosto era fraquinho (de novo) e ainda tinha (não sei porque frangalhos) cheiro de meia suja. Quando o cheiro é ruim fica foda de beber.


Sigo amando o Ó-chá, curtindo o Talchá, indo no Tea Connection quando estou perto da paulista e de vez em quase nunca passando no Gourmet Tea. Mas no Tea Kettle não volto mais.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu um tanto decepcionada porém sem dúvidas 
  • Preju: jarra de suco R$18, esqueci o preço dos chás, que poderiam vir em 2 tamanhos de bule diferentes, cada um com seu preço
  • Unidade visitada: 
    • Rua Alexandre Dumas, 1049 - Chácara Santo Antônio
    • Perto da estação Granja Julieta da CPTM
    • (11) 5523-9615
  • Horário de funcionamento: 
    • Terça à sábado, das 9:30 às 19:30
    • Domingo, das 10:30 às 17:30
    • Brunch: domingo, das 10:30 às 15:30
  • Lotação: 80 lugares
  • Visa vale? Não.
  • Site: http://www.teakettle.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…