Pular para o conteúdo principal

A comida da Ludus

Não sei se vocês sabem, mas a Ludus é um lugar muito, mas muito legal mesmo. Além de ter muitos jogos de tabuleiro disponíveis, inclusive muitos importados, com monitores que explicam cada um deles; o cardápio da casa é de matar.  A surpresa se deve em parte por não se esperar um cuidado tão grande com um aspecto que não é o principal da casa, mas acertaram em cheio com essa preocupação porque enquanto se joga com certeza alguém vai pedir algo para comer em algum momento.

Betrayal at the house on the hill. Recomendadíssimo!

Começamos a muitos anos atrás pedindo os lanches, que não são nem um pouco miserentos e muito bem feitos. Depois que descobrimos o esquema feliz do almoço de domingo (não se paga couvert lúdico, que é uma taxa que todo mundo paga para jogar, das 11:00 às 16:00 desde que cada um peça algum prato), só pedimos entradas e pratos menores para que cada um tenha pedido uma comida e todo mundo experimenta tudo!


E que entradas. A que mais gosto com certeza é o Hey that's my chicken, que são anéis de frango empanados e fritos e que acompanham um molho oriental que provavelmente é a base de shoyu e gergelim. São ótimos e sempre chegam bem quentinhos à mesa.


Em segundo lugar, e nem por isso com menos mérito, vem a Jenga gigante, que é nada mais nada menos que um balde com 1 quilo de batata fritaaa! Não pense que elas chegam de qualquer jeito, não senhor: são muitas batatas sequinhas, coradinhas e quentinhas. Acompanham um molho à base de mostarda que é muito bom também.


Esperando o mesmo sucesso dos frangos, experimentamos em minha última visita o Hey that's my beef, mas não fomos tão felizes. Não é ruim, mas não há nada de especial. A carne vem sem graça, sem muita cor e gosto, e o pão não é suficiente - poderia vir mais, até para comer com o molho que sobra no prato. Sim, eu gosto muito de comer pão com molho que sobra, hehe.


Só há um defeito: geralmente não há espaço suficiente para a comida e os jogos. E o cuidado que precisa se ter para não cair nada? Sem dizer que a maioria das pessoas vão em grupos, então falta espaço no geral mesmo. Mesmo assim uma visita à Ludus é diversão garantida, seja pelos jogos ou pela comida. Sempre sinto saudades deles e não reclamaria se houvesse mais casas do gênero na cidade!

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu feliz em vários aspectos
  • Preju: em torno de R$35,00 (sorry, não lembro dos preços) 
  • Unidade visitada:
    • Rua Treze de Maio, 972
    • (11) 3253-8452
  • Horário de funcionamento: é mais fácil checar neste link aqui
  • Lotação: 170 lugares
  • Site para maiores informações: http://www.ludusluderia.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…