Pular para o conteúdo principal

On va manger

Não acredito muito nos prêmios da Veja de melhores do ano (principalmente no quesito melhor chá) mas acredito muito no Gastrolândia e fui conhecer o On va manger em um domingo sem almoço em casa. Não confio também na Rua Frei Caneca e fiquei um pouco nervosa por ir descendo-a sem encontrar a rua do restaurante.
Dica do dia: é a que tem um posto de gasolina na esquina e não tem placa. xD


Chegamos no começo do horário do almoço, não tivemos maiores problemas com espera e isso não se aplica para quem chegou mais tarde e não tinha reserva. São poucos os lugares e eles são um pouco apertados também. Fomos bem atendidos, nossos pedidos não demoraram e o chef veio à nossa mesa perguntar se estava tudo bem. O mais chatinho mesmo foi ter que descer para escolher a sobremesa no balcão e, pelo número de opções, daria muito bem para ter um cardapiozinho para elas.


É tudo muito simples e sem frescura, escolhe-se o tipo de curso (fomos no mais econômico de R$34) e checa-se quais estão disponíveis de acordo com a semana, daí não sobram tantas opções assim - o que não significa que não haja boas opções.  Comecei com uma sopa de abóbora, que amo muito e fiquei um pouco confusa com esta porque era meio doce. Nada que tenha feito me arrepender da escolha! Ficou ótimo com o pão com cara de caseiro servido à vontade no começo da refeição.


De prato principal fui de lombo suíno com molho de mostarda da casa. Esperava que o molho fosse mais forte, no começo achei bom mas depois não sei porque ele me deu muita sede e não curto muito beber enquanto como (sim, é uma mania besta). A carne em si estava ótima, bem macia e cozida. A couve flor gratinada de acompanhamento estava ótima também, farta, com muito creme e queijo e em uma panelinha feliz.


Infelizmente não terminei bem minha refeição. Nunca resisto quando vejo um tiramisu e sempre espero que ele pelo menos me lembre em algum momento distante o que comi no Cake Boss Cafe. Este estava totalmente oposto, o creme era salgado e parecia mais um cheesecake ruim! A única coisa que salvava eram as bolachas encharcadas de licor de café.


O outro set pedido foi salada de lentilhas de entrada (normal, com gosto de vinagrete, então estava bom), steak apimentado (mas só por causa das bolinhas de pimenta, a carne em si não estava e era ótima, no ponto certo), pommes de terre on va manger (batata coziada, amassada, frita com sal, alecrim, alho e tomilho, muuuito boa) e mousse de chocolate (meio amargo, nada enjoativo, firminho e muito melhor que o tiramisu).


Li em alguns lugares que os acompanhamentos seriam refil mas fiquei cheia demais para confirmar a informação. Se é comida francesa de verdade eu não faço ideia, só sei que estava boa, honesta, farta (importantíssimo) e por um preço pra lá de justo, do jeito que todo lugar deveria ser.

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu surpreendentemente rolando feliz
  • Preju: R$44 
  • Unidade visitada: 
    • Rua São Miguel, 89 - Bela Vista 
    • Próximo à Rua Frei Caneca, depois da Peixoto Gomide 
    • (11) 4561-1562
  • Horário de funcionamento: 
    • Segunda à quarta e domingo, das 12:00 às 16:00
    • Sexta e sábado, das 12:00 às 16:00 e das 19:00 às 23:00
    • Todos os dias, das 10:00 às 19:00 para café (exceto quinta)
  • Lotação: 60 lugares
  • Visa vale? Sim!
  • Site: http://www.facebook.com/pages/On-Va-Manger/283042785217716

Comentários

  1. Adoro comida farta pro preço justo, arrumando um tempinho pra conhecer. Eu sou um pouco cética em algumas categorias da Veja Comer e Beber mas na categoria Bom e Barato e nas comidinhas eles meio que acertam, esse ano a Ailin do Gastrôlandia fez parte do júri das Comidinhas então aumenta a confiança rss.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…