Aoyama

Minha última visita ao Aoyama foi há muuuitos anos atrás (ou talvez não tantos assim, é que não me lembro mesmo quando foi, hehe), bem antes de começar a escrever este blog gordinho e de experimentar mais lugares diferentes. Na minha lembrança era ótimo e talvez isto tenha atrapalhado um pouco quando voltei ao recinto alguns dias atrás. Ou eles mudaram!

Já peço desculpas pela qualidade lazarentinha das fotos, que foram tiradas com o celular e flash (argh!) porque o lugar era beeem escuro (o suficiente para às vezes não saber o que se estava comendo!). O serviço no geral foi rápido, às vezes dava umas empacadas e no final apareceu um super set de sushi de salmão que ninguém havia pedido e já estavam todos cheios demais para acabar com ele, que desperdício. =(


As entradas e os pratos quentes foram o melhor do rodízio. Era muita coisa e eu não vou conseguir me lembrar e identificar tudo! Gostei muito dos camarões empanados, fritos ou em recheio de trouxinhas; dos aneis de lula; dos peixes temperadinhos que insistem em chamar de ceviche; do hotroll que eu não sabia o recheio e das chapas de shimeji e shitake (wow!) que espirravam óleo na gente. Só com essa parte daria para ficar feliz, mas ainda não justificaria o preju.


Infelizmente o que deveria ser o principal da festa foi o mais fraco: os sushis. Nada muito diferente, corte e montagem na média e pra piorar O ATUM NÃO ERA VERMELHINHO! Puxa, isso me deixou profundamente decepcionada! Outra coisa mui revoltante foram os litros de cream cheese e maionese utilizados e que não deveriam estar lá.


A impressão que passou foi muita pose para pouco sushi. Apesar de ter adorado as entradas, não encaro mais esse preju de novo. A não ser que mudem de novo!


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando e com falta de peixinhos no estômago 
  • Preju: só rodízio R$65, a conta mesmo por pessoa ficou bem mais pesadinha
  • Unidade visitada:
    • Praça Vilaboim, 63 - Higienópolis 
    • (11) 3666-2087
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:30
    • Sexta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 à 0:30
    • Sábado, das 13:00 à 0:00
    • Domingo, das 12:00 às 23:00
  • Lotação: 96 lugares
  • Visa vale? Acho que não
  • Site: www.restauranteaoyama.com.br

Comentários

  1. Olá Bom dia.

    Meu nome é Juliana, eu fiquei curiosa quanto a você ter comentado que o Atum não era tão vermelho.

    Eu não sei se alguém já explicou a você, sobre o TORO, eu não quero bancar a chef nem nada tá bom?!! É que já aconteceu isso comigo, e depois me explicaram o porque do atum não sair tão vermelho, o TORO é a parte da barriga do Atum, ele é mais claro pois se trata da carne mais gorda do atum. No Aoyama geralmente eles usam toro, por ser uma casa de renome e tals. No caso de temakerias não confie muito no salmão claro kkkkk O quilo dele ultrapassa a casa dos R$80,00, o que não coincide com o custo beneficio dos temakis. O toro é uma especie de "picanha" do peixe sabe? A melhor parte.

    Se você tiver duvida, basta perguntar ao garçom/sushiman, eles vão poder exlicar com mais propriedade.

    ResponderExcluir
  2. Oi Juliana! Já comi toro e o que o diferencia do "resto" do atum não é só a cor não, mas a textura, a gordura e o sabor também. Ele realmente é mais claro, só que na escala do vermelho e não na escala do marrom, saca? Quando o atum está mais claro pro marrom é porque não está tão fresco assim. E no Aoyama não servem toro no rodízio, senão eles sairiam num preju danado! (mesmo com o rodízio caríssimo)

    ResponderExcluir

Postar um comentário