Pular para o conteúdo principal

Sukiyaki House


Este restaurante tem um lugar especial no meu coração: foi o primeiro que eu testei e aprovei naquele prédio tão discreto da Rua da Glória, o tal de Food Center, que nem letreiro tem. Na verdade nunca consegui passar do primeiro andar porque lá tem tudo o que eu preciso (e que também merecem reviews futuros!). Até hoje só consegui experimentar a especialidade da casa, o sukiyaki - inclusive é o único lugar que eu conheço que tem um sukiyaki muito bom, a um preço acessível e ambiente legal.

Tem até coca-cola na garrafa de vidro clássica!
Todas as mesas têm o seu próprio fogãozinho, já que o sukiyaki é feito na hora e bem na sua frente. Ou seja, por mais que o lugar tenha ar condicionado, não é muito legal ficar com aquele calorzão na cara em dias quentes. O lugar é pequeno e para grupos com 6 pessoas ou mais é altamente recomendável que se faça reserva, principalmente porque assim eles te colocam em umas salinhas que ficam na lateral que são muito mais confortáveis.


Geralmente não ligo para entradas, mas o shimeji na manteiga deles é excelente. Ao contrário de muitos lugares muquirana, o tipo do shimeji é aquele escuro, um pouco mais caro mas mais gostoso, e acompanha um molhinho muito bom que acaba causando uma caca incrível na mesa, hehe.


Os atendentes podem preparar o prato, mas eu prefiro fazer (ou deixar que alguém que esteja comigo faça). Dá um pouco mais de trabalho, mas pelo menos é garantia que a carne ficará bem frita na manteiga - sou fresca e não gosto carne mal passada, a não ser que se trate de carpaccio. Assim também se ganha a opção de não colocar todo o meio quilo de acelga que eles servem.

O que chega na mesa
Etapas do preparo

É bom pedir uma tampa para ajudar o cozimento
Há dois tipos de sukiyaki, o simples e o especial. Para mim, a maior diferença mesmo está no preço. O especial é um pouco maior, vem com mais coisas (que geralmente não são tão famosas e gostosas) e vem acompanhado de uma porção de udon. Por isso prefiro pedir o sukiyaki simples com uma porção (ou mais) de udon à parte - e este vem acompanhado de arroz grudento, ou gohan, que é o básico de qualquer refeição japonesa que se preze. Ambos dão direito a uma entradinha de legumes em conserva que eu não como e missoshiro.


Dependendo do dia e da hora é um pouco complicado chamar a atenção de algum atendente e eles não são lá muito ligados, mas nada de mui grave. Até porque eles não cobram os tenebrosos 10% se você se sentar nas mesas normais.

Opção de comer com ovo cru que dispenso =P
Sei que não é um prato muito popular por aqui, afinal quando se fala em comida japonesa o pessoal só lembra dos sushis e sashimis, mas não conheci uma pessoa que tenha experimentado e não tenha gostado.
E foi neste lugar que desenvolvi a lendária técnica de jogar molho quente em mão alheia e da rapidez com o hashi. Afinal a carne não é suficiente e o mundo é cruel.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: mui satisfeita e com o cabelo cheirando sukiyaki
  • Preju: em torno de R$30,00
  • Unidade visitada: 
    • Rua da Glória, 111 - 1º andar
    • Telefone: 3106-4067
  • Horário de funcionamento: de Segunda à Sexta, das 11:30 às 14:00 e das 18:00 às 22:00 (exceto quarta); Sábado, das 11:30 às 15:00 e das 18:00 às 22:00 e Domingo, das 11:00 às 22:00.
  • Site para maiores informações: http://www.sukiyakihouse.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…