Pular para o conteúdo principal

Bruschetta clássica feliz

Para quem não sabe (sei lá, às vezes acontece), bruschetta é um pão italiano fatiado com alguma coisa aparentemente normal em cima mas que é muito bom. Tão bom que a minha irmã estava morrendo de vontade de comer uma a tanto tempo que eu acabei entrando na onda dela. E como as finanças da família (para variar) não estão das melhores, resolvemos fazer nossas próprias bruschettas neste fim de semana aqui em casa.


Obviamente não fizemos a receita oficial e sim uma versão do que lembrávamos que era e de como poderia ficar legal. Olhem só:

Porção: 2 formas cheias que serviram de lanche da tarde para uma família de 6 pessoas (o lema aqui é "melhor sobrar do que faltar")
Nível de dificuldade: é bom saber lidar com fogão e forno, ligar, não se queimar, essas coisas

Ingredientes:
  • 2 pães italianos 
  • 5 tomates picadinhos
  • 5 dentes de alho (nós gostamos muito, por mim poderia ter até mais)
  • Azeite para refogar
  • Pimenta do reino 
  • Sal
  • Orégano
  • Folhinhas de manjericão 
  • Queijo ralado (usamos mussarela - ou muçarela, ou ainda mozrela)

Modo de preparo (há fotos para ajudar!):
Em uma panela, doure um pouco o alho no azeite. Depois jogue os milhões de pedacinhos de tomate e os outros temperinhos. Como a minha irmã tem nível muito mais avançado de cozinha, ela não sabe as medidas exatas desta etapa e vai colocando conforme o coração manda. Na dúvida, não exagere. É bom deixar a mistura ferver um pouco para secar a água formada pelo tomate.


Corte os pães em fatias um pouco grossinhas para sustentar o recheio e distribua-os em uma forma. Jogue o tomate temperadinho, depois o queijo ralado e por fim as folhinhas de manjericão, que além de darem um gosto muito bom também enfeitam, quem diria!


Coloque em forno não muito quente (acho que colocamos em 150ºC). Não demora muito, é só o tempo do queijo derreter e o pão ficar mais crocante, e pronto! Diversão garantida para os próximos minutos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…