Pular para o conteúdo principal

The Gourmet Tea

Quando li esta matéria sobre uma possível nova tendência de chá gourmet por essas bandas, fiquei alucinada. Precisava sair do conforto do meu lar e experimentar isso logo! Mas como não é assim que as coisas funcionam, tive que esperar um pouquinho por uma oportunidade legal, que foi neste último domingo. 


O lugar que mais me chamou a atenção foi o The Gourmet Tea, até porque fica em uma região que eu conheço, hehe. O que eu não sabia é que, de repente, os barulhos da Rua dos Pinheiros somem quando se entra na Rua Mateus Grou, o que ajudou muito na ambientação. O lugar, além de ser lindo, clean e muito colorido ao mesmo tempo, é muito tranquilo. Passamos horas lá sem ligar para o tempo passando. O ambiente também era climatizado, o calor ficou lá fora e assim eu poderia beber chá quente sem problemas.


A variedade é boa, foi difícil escolher um para experimentar. É possível cheirar a mistura de ervas nas latinhas correspondentes, que ficam no balcão e são identificadas por descrição e cor. Na dúvida ainda há vários atendentes que sugerem e explicam as bebidas e são muito gentis e atenciosos. O meu escolhido foi o Black Raspberry: chá preto, folhas de framboesa, grãos de cártamo e aromas naturais.


Resolvida a dúvida, chega a parte mais legal fora beber o chá: prepará-lo! Uma bandeija chega na mesa com marcador de tempo, um copo, uma xícara-coador com água quente, colher, um pedacinho de biscotti (pelo menos deduzimos isso segundo o Cooking Mama hahaha) e, claro, o chá.


Primeiro coloquei o chá na xícara de água quente e liguei o marcador de tempo, que já vem com os minutos pré-determinados dependendo do tipo. Quando ele apita, é só colocar a xícara em cima do copo que ela vira um coador muito estiloso! Sou caipira mesmo e fiquei maravilhada com isso!


Deduzimos que o biscotti servia para acentuar ou ajudar a sentir alguma nuance no sabor do chá, mas no meu caso ele só atrapalhava porque meu chá já era naturalmente doce e comer outra coisa doce só matava o gosto da framboesa. Não preciso dizer que o chá era ótimo! Não sou daquelas pessoas evoluídas que conseguem sentir várias sensações em vários níveis diferentes quando degustam alguma coisa. Consegui viajar um pouco nisso, mas o que passava mesmo pela minha cabeça enquanto bebia o chá é que ele era muito bom e me fazia feliz. =D


Pedi também uma sobremesa que me chamou muito a atenção por dizer que o sorvete de baunilha era artesanal. De fato era muito gostoso, ainda mais acompanhado com brownie! No entanto, só peça algo assim depois de terminar seu copo de chá, senão sua boca fica doce demais e atrapalha a degustação.


Mais um lugar que preciso voltar mais vezes e que não vou sossegar enquanto não provar muitos outros chás que ficaram na fila.  


Ficha feliz:

  • Satisfação da gordinha: felicidade pura
  • Preju: R$16,00
  • Unidade visitada: 
    • Rua Matheus Grou, 89 - Pinheiros
    • Telefone: (11) 2691-2755
  • Horário de funcionamento: todos os dias, das 10:00 às 19:00
  • Lotação: aproximadamente 30 pessoas, o lugar não é muito grande
  • Site para maiores informações: http://www.thegourmettea.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…