Pular para o conteúdo principal

P.J. Clarke's

Estava pouco curiosa para ir no P.J. Clarke's depois de tanto barulho sobre ser o melhor hamburguer da cidade segundo a Veja e blablabla. Não que eu leve a opinião deles a ferro e fogo, mas escolherem tal lugar como sendo O melhor deve significar alguma coisa, sem dizer que eu acho que tem umas dicas boas quando sai a edição super grossona dos melhores da cidade.
Para completar, até o final deste mês, está rolando um festival de hamburgueres com 6 novas opções, cuja mais pedida entrará definitivamente no cardápio deles. Aí já era!

A localização não é ruim, mas não colabora em nada com uma pobre alma sem carro que quer jantar em um lugar bacana no final de semana - afinal os ônibus ficam mais raros ainda e andar naquele trechinho perto do Clube Pinheiros dá medinho. Em compensação o lugar é muito legal. Amplo, estiloso e com um balcão enorme para quem estiver só afins de beber alguma coisa. 


Dei a sorte de chegar no começo do horário do jantar. Em pouco tempo o salão ficou lotado - muitas mesas com famílias inclusive. Para minha felicidade, crianças barulhentas em alguns casos. 


Pedimos de entrada as PJs Home Fries, que são cubos de batata na manteiga com cebola e uma jarra de PJ Iced Tea, muito boa e com um ótimo custo-benefício. Claro que pedi um dos hamburgueres do festival. Não sei se foi por causa do sentimento de "caramba isso é por tempo limitado!", mas achei-os mais interessantes que os do cardápio regular. 


Meu escolhido foi o Brooklin: uma baita bitela de hamburguer de frango com gorgonzola e escarola refogada ao alho, acompanhado de fritas (que estavam impecáveis por sinal). O gosto era bem forte, não faz o tipo popular e eu gostei . Havia uma quantidade absurda de escarola, ainda bem que o alho salvou hehe. O ruim mesmo foi que eu não consegui comer tudo! ARGH! Foi uma decepção sem tamanho ter que pedir para embrulhar o resto para viagem. Pelo menos a caixinha era bem simpática!


O atendimento foi bem eficiente. A única coisa que me irritou foi a ansiedade dos garçons em tirar os pratos. Sabem, eu fui criada para evitar ao máximo o desperdício de comida, então se ainda tem comida no meu prato é porque eu ainda estou comendo ou vou comer, poxa vida! E não fiquem de camper esperando eu comer a última batatinha para cair em cima do pratinho vazio, isso também não é legal.

Preciso voltar para experimentar um hamburguer com carne para ter uma opinião mais formada sobre o lugar. Por ora, eu curti mais os acompanhamentos, entradas e bebidas que o lanche em si e, neste caso, não valeu tanto a pena o preju.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando, mas não tão feliz porque não conseguiu comer tudo 
  • Preju: R$52,00
  • Unidade visitada: 
    • Rua Doutor Mario Ferraz, 568, Itaim Bibi 
    • Telefone: (11) 3078-2965
  • Horário de funcionamento: de segunda à quinta das 12 às 24; sexta das 12 às 2 da manhã; sábado das 9 às 2 da manhã e domingo das 9 às 24
  • Site para maiores informações: http://www.pjclarkes.com.br

Comentários

  1. Eu só experimentei o brunch deles...fiquei na vontade dos hambúrgueres...

    Essa dos garçons ansiosos é praxe de quase todo lugar...é incrível a pressa que eles tem de retirar os pratos...tem que ter muita paciência...

    ResponderExcluir
  2. O brunch até que é legal...mas nas últimas vezes o bacon não estava sequinho como deveria...e o waffle estava murcho...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…