Pular para o conteúdo principal

Restaurant week: Hideki Sushi

Graças à minha irmã, que é maluquinha por comida japonesa, fui neste feriado no Hideki, que é um restaurante que já ouvimos opiniões ótimas mas cuja ida sempre é adiada por falta de verba. Como ele está participando do Restaurant Week (RW), não tivemos porque não ir.


Não se deixe enganar pela entrada: o lugar é enorme e tem dois andares cheios de mesas. Como não sabia disso, fiz uma reserva pelo Restorante.com - até porque já estava ali, um botão vermelho no próprio site do RW. Não funcionou, mas quando chegamos (inicio do horário do almoço, as always baby) estava vazio e escolhemos uma mesa no canto e perto das janelas - embora a vista não fosse lá aquela belezura. Ah sim, a decoração era muito bonita.

Gente, estou viciada nessas montagens para economizar espaço no post!
Fomos atendidos por uma senhorinha muito simpática que não deveria ter nem 1,40m de altura. Explicou-nos tudo muito bem e sempre aparecia para retirar os pratos vazios. Foi surpreendente porque achei que, isolados como estávamos, seríamos ignorados. Ela inclusive falava vez ou outra em japonês com a gente, haha!

Toalhinhas quentes clááássicas, adouro!

O cardápio RW começava com uma porção simples e feliz de tofu. Não tem muito o que comentar sobre tofu, não é mesmo? A maioria das pessoas nem sente o gosto dele! Mas eu curto muito, só não gostei mesmo do pedacinho de gengibre que peguei de uma vez quando já estava acabando de comê-lo.

El tofu!
O prato principal era um teishoku com salada oriental feliz (que eu nunca como), conservas, peixe grelhado (mas nesse caso parecia estar cozido mesmo), 3 sushis, 3 hossomakis e kakiague (ou tempurá, nem sei a diferença). Fora do quadrado ainda tinha uma tigela de missoshiru com ostrinhas, uma de gohan (ou arroz-japonês-grudento-e-sem-tempero) e 7 sashimis.


Eu achei tudo muito bom. Só sofri mesmo para comer os sushis porque eles tinham wasabi entre o peixe e o gohan. Os kakiagues estavam bem crocantes e o sashimi... minha nossa, que belezinhas! Segundo a minha irmã, eles foram cortados na parte certa do peixe, por isso estavam tão bons, e que isso é coisa rara de ser ver em restaurantes japoneses por aqui. Outra observação profissional dela, e que eu jamais notaria, é que o wasabi parecia ser feito por eles mesmo - eu só notei que estava forte no sushi, ela reparou que a cor dele não era aquele verde abacate-alienígena.


No entanto, ela não curtiu muito o teishoku. O problema foi que as expectativas dela estavam bem altas e com certeza eles não fizeram o melhor que podiam para este menu do RW. Percebemos isso (também) porque na casa há um sistema de buffet, onde cada um pega o que quer em uma mesa gigante cheia de coisas gostosas, e a diferença era clara.

Mesa do buffet. Oh hey, eu apareci na foto! >_<
De sobremesa comemos salada de frutas com uma bola de sorvete de creme. Nada de mais aqui, estavam bons. Os pedacinhos de melão estavam congelantes, mas tudo bem. 


Depois que cheguei em casa vi que o cardápio oferecido não foi exatamente o mesmo que estava disponível no site. Mesmo assim gostei muito de lá! Geralmente não vou em restaurantes japoneses no RW porque oferecem um cardápio ridículo pelo preço estipulado, mas deste aqui eu curti e fiquei satisfeita. Logo cumpriram muito bem o propósito do evento: sai satisfeita e querendo voltar para experimentar mais! Minha carteira só precisa de um tempinho para se preparar... 

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu feliz porém curiosa
  • Preju: R$40,00
  • Unidade visitada: 
    • Rua Treze de Maio, 1050
    • (11) 3283-1833
  • Horário de funcionamento: 
    • Segunda à sexta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 0:00 
    • Sábado, das 12:00 às 16:00 e das 19:00 às 0:00
    • Domingo, das 12:00 às 16:00 e das 19:00 às 23:00
  • Lotação:  100 pessoas
  • Site para maiores informações: www.hidekisushi.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…