Pular para o conteúdo principal

Alaska (sorvetes finos)


Esta sorveteria é uma das raras que se encaixa na categoria clássica e que te faz voltar um poquinho ao passado. Não como  as lanchonetes com decorações inspiradas nos anos 50, mas um passado mais recente, naquela atmosfera que pode até ser encontrada em alguns lugares mais afastados como litoral. Hmm talvez nostálgico seja a palavra.


A entrada deixa um pouco de dúvidas sobre do que se trata o lugar. Do lado esquerdo, réplicas de sovetes e um quadro com os sabores disponíveis; do outro, doces de todos os tipos e castanhas e afins à venda. Não se deixe enganar, o lado direito é apenas um plus.


Aqui não há sorvetes com sabores malucos, propósitos saudáveis ou preparos diferenciados. São sabores de sorvete de massa normais, em taças bem feitinhas, com cobertura, biju e/ou farofa. Pronto!
O atendimento também é bem sucinto: garçons formais e muito eficientes, com uma prática absurda para montar as taças enomes de sorvete oferecidas pela casa. Sim, a porção é bem servida até quando se pede uma única bola de sorvete.

O meu favorito é a banana split, mas ela é tão gigantesca que é preciso estar com estômago meio vazio e alguém na mesma condição para dividi-la. Como não foi o caso da minha última visita, pedi um Choco L'Amour (sorvete de chocolate, chantilly, castanha de caju e cobertura de chocolate). Muito bonito, gostoso mas era um pouco mais doce que o meu padrão tolerável para comer-doce-como-se-não-houvesse-amanhã. E a farofa por cima garante o clima de aventura e sujeira.


Quero deixar registrado um dos desafios que a sorveteria oferece (e que provavelmente só pode ser devorado por um time de futebol completo ou 3 gordinhos):


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: feliz, como sempre fica quando toma sorvete
  • Preju: R$14,00
  • Unidade visitada: 
    • Rua Dr. Rafael de Barros, 70
    • (11)3889-8676
  • Formas de pagamento: apenas notei que só aceitam cartões se forem débito

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…