Pular para o conteúdo principal

Marach

O Marach foi um dos poucos restaurantes que eu passava pelo lugar em reformas e ficava na expectativa de como seria. Isso porque é perto de onde trabalho e meu amigo, que é descendente de armênios, também botava muita pilha. Não me lembro porque, mas demoramos um pouco para irmos lá pela primeira vez... e depois disso sempre que temos um tempo vamos lá para comprar uma esfiha ou duas, pelo menos!


A esfiha aberta de carne deles é sensacional, carne bem temperada e cozida em forno de pedra, segundo nos informaram. Faz sentido, elas chegam no balcão por um elevadorzinho que fica em uma coluna próxima, mui chique. O tamanho também é bem generoso, parece até uma mini pizza. Das fechadas eu simplesmente a-do-ro a de chancliche, uma espécie de ricota que pode ser preparada de muitos jeitos. Neste caso, ela acompanha pedacinhos de cebola, tomate, temperinhos e um toque de pimenta que é tão leve que nem me incomoda. Ah sim, todas elas são feitas na hora!


Outra coisa bem moderna é que as atendentes usam maquininhas (provavelmente aqueles finados palms, eu nem lembrava mais como eles se chamavam!) para pegar o pedido e as comandas (que podem ser individuais) são plaquinhas de plástico com o seu número.

Durante o almoço dos dias úteis, é oferecido um self-service por quilo com pratos típicos. Um pouco caro, mas é tudo muito gostoso e bem feito. Bem que eles poderiam extender isto para a janta, ou pelo menos para o almoço de sábado! Se você tiver a chance de ir, vá sem medo de ser feliz - só que é bom ir cedo porque o lugar não é muito grande e muita gente já sabe que lá é legal!


Minha última descoberta foi a porção de kafta com coalhada com alho. Dá pra acreditar numa coisa mais maravilhosa e perfeita que isso? Bolinhos de carne bem temperados (usei muito essa palavra por aqui hoje, isso que dá não conseguir identificar os temperos enquanto come) com coalhada, que é algo que eu amo muito, e alho! ALHO! Ooooh!


Apesar de ser pouco conhecido, a qualidade da comida é a mesma ou às vezes até melhor que de restaurantes maiores, mais populares e mais cheios de frescura. No custo-benefício então, ganha disparado!


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: sempre sai feliz, às vezes com esfihas para levar para casa
  • Preju: em média R$5,00
  • Unidade visitada:
    • Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1616, loja 04 - Jd. Paulistano
    • (11) 3034-2717
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sexta, das 7:30 às 20:00
    • Buffet: das 11:30 às 15:00
  • Formas de pagamento: Master, Visa e vários VR felizes 

Comentários

  1. A comida deles é sensacional! É o único lugar que eu consigo comer coisas agridoces! Esses armênios!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…