Pular para o conteúdo principal

Bueno

Minha curiosidade já não se aguentava mais e finalmente tive a chance de conhecer o Bueno! Arrastei um amigo meu que talvez não tenha se divertido tanto, mas ele estava junto, então foi mesmo assim!


Esqueci de tirar foto do aviso gigante sensacional logo na entrada que dizia "No sushi, no sashimi". Pessoal tem mesmo que parar de achar que comida japonesa é só isso (e o que conhecemos por aqui ainda é bem ruim perto do que poderia ser!). O esquema lá, pelo menos no almoço, é escolher o seu teishoku (que pode ser encarado como um executivo) e ser feliz. Sem frescuras!
Ah, adoreeei os chás verdes aromatizados que eles servem. Tanto o meu de blueberry como o de maracujá vermelho do amigo estavam ótimos (leia-se não senti nenhum amargo from hell).


Claro que meu pedido foi o Buta no kakuni teishoku, ou panceta, ou barriga de porco com uma camada escandalosa de gordura - que derrubou o meu estômago de jeito! Deixou o bichinho inválido e de uma maneira que nunca havia acontecido antes: na hora eu não senti que estava cheia, fiquei apenas satisfeita, só que me senti assim pelo resto do dia e não consegui jantar direito! Digo que valeu a pena mesmo com esse efeito colateral bizarro! Estava muito, muito bom mesmo. Queria comer aquilo pelo resto da vida. Comi até a verdurinha que estava embaixo porque ela ficou com o gosto do molhinho. Por muito pouco não lambi o fundo do prato.


O resto era mais do mesmo: gohan é gohan, missoshiro nunca tem muita emoção (e ainda tive que pedir ajuda da atendente para abrir o meu potinho porque pegou pressão, que vergonha) e alguns dos acompanhamentos eu nem gostava. Masério, a barriguinha salvou tudo, salvou o dia, salvou as várias semanas que passei sem gordinhar direito!

Merece um close! E um poster!
Meu amigo pediu um Picanhadon (parece piacanhadão, hihi), que eram tiras de picanha temperadas com shoyu e cebolinha por cima de um chawan de gohan, que acompanhava missohiro e uma mini salada. Também era bom, mas a barriga...

Adorei a comida, o esquema e os preços. Quero voltar lá até enjoar! (se é que isso é possível)


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: não saiu rolando na hora, mas saiu bem feliz!
  • Preju: R$40
  • Unidade visitada:
    • Alameda Santos, 835 (mais ou menos entre a Trianon e a Brigadeiro)
    • (11) 2386-8035
    • reserva@izakayabueno.com.br 
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sexta, das 11:30 às 14:30 e das 18:00 às 23:00
    • Sábado, das 12:00 às 15:00 e das 18:00 às 23:00
  • Lotação: 66 lugares
  • Site: http://www.izakayabueno.com.br/page (mas esta ficha tem mais informação que lá, haha)

Comentários

  1. Nossa .. adorei seu blog... divertido, e muito funcional.. São Paulo tem uma das melhores, senão a melhor, noite (e dias tbm) gastronomica do país... e a gente sempre acaba indo nos mesmos lugares.

    Parabéns,.. virei fã e seguidora !!!

    ResponderExcluir
  2. Valeu gente =D
    Servimos bem para servir sempre haha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…