Pular para o conteúdo principal

Tio Pepe

Descobrimos este lugar de um jeito muito aleatório e que deu super certo! Usamos o Uber para nos locomover (o tal aplicativo de caronas que deixou os taxistas putos mas fazer o que se o serviço é bom?) e nosso motorista nos deu a dica de grátis sobre a paella (ou "aquele arroz com camarões e frutos do mar") do Tio Pepe. Claro que ficamos curiosos e fomos jantar lá!

Ouvimos dizer que era um pouco cheio e tínhamos reserva. Não vimos espera, mas também não vi mesas facilmente disponíveis. Ficamos em um "quarto" onde tinha mais duas mesas e em uma delas estava sentado o casal que a gente jamais vai esquecer por ter comido uma pratada de paella com uma classe e rapidez dignas. Sério, eles mereciam uma medalha ou algo assim (explicarei com detalhes daqui a pouquinho).  


Sentamos e nos serviram um pão super fofo com manteiga à vontade para começar. Sabíamos que deveríamos ter resistido aos seus encantos para ter mais espaço para a janta em si mas estávamos com fome e ele era bem bonito. Também pediram uma sangria que vinha um jarro pintado à mão bem estiloso e, se eu curtisse bebida alcoolica, teria-a achado muito boa. O noivo exagerou um pouco e pediu a grande, para duas pessoas, o que fez com que cada um bebesse bem naquela noite.


De entrada pedimos o Salpicón de Carne de Nécora, que era pedacinhos de carne de caranguejo bem frescos com um molho à base de mostarda que era muito bom! Os dois combinavam bastante e a carninha estava ótima! Queria comer caranguejo só assim pelo resto da vida, sem ter que se matar para conseguir abrir o bicho (como aconteceu no lugar que fomos no próximo post!).


E então chegou a nossa paella, ta-daaaan! Ela chega em uma mesa, é dividida em dois pratos pelo garçom na hora de servir e poderia muito bem ser para três! É muita comida, é muito bichinho que foi sacrificado para fazer aquele prato! Até onde consegui distinguir, tinha (muito) camarão, mexilhão, frango, carne e meia lagosta, além do arroz com açafrão. Estava muito gostoso, tudo fresco, sem ter gosto de praia. Foi uma pena não ter conseguido comer tudo, embora tenha conseguido comer a maior parte.



Para piorar, não paramos por aí. O maldito garçom apareceu com uma bandeja cheia de doces lindos e seria muita desfeita recusar algum deles. Pegamos (para variar) um bolo branco recheado com um creme muito gostosinho e morangões por cima. Sim, a gente já tava passando mal de tanto comer e mesmo assim demos um jeito para caber mais um pouco.


Adoramos a indicação e chegamos tão cansados de comer e de fazer digestão no hotel que caímos na cama em coma alimentar. É caro mas vale a pena ir pelo menos uma vez se estiver de bobeira por lá! Ah sim, usamos o Uber mais uma vez para voltar, hehe.


Ficha feliz:

  • Satisfação da gordinha: saiu feliz, explodindo e prometendo falsamente que nunca mais comeria tanto assim 
  • Preju: uns US$70 por pessoa sem contar a sangria 
  • Unidade visitada:
    • 10 E Franklin Street - Baltimore, MD
    • (410) 539-4675
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta, das 11:30 às 22:00
    • Sexta, das 11:30 às 23:30
    • Sábado, das 17:00 às 23:30
    • Domingo, das 16:00 às 22:00
  • Site: http://www.tiopepebaltimore.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…