Pular para o conteúdo principal

Tanuki

No domingo de carnaval, muita vontade de comer fora e poucas opções de lugares abertos. Muitos nem abririam em um domingo normal, o que dizer de um que fica no meio do maior feriado do ano? Graças ao Foursquare e ao check-in de um amigo meu, encontramos o Tanuki, um restaurante japonês com um baita jeitão antigo, que fica incrivelmente em uma rua calma da Vila Madalena e com a fachada tão discreta que quase ignoramos!

As primeiras impressões não foram lá muito boas: cheirão de peixe no ar e música enka (estilo antigo super tradicional japonês que só conta dramas fudidos). Ainda bem que a comida era tão boa que depois a gente nem notou mais nada disso, heh. Nosso garçom era bem calmo e falava baixinho, foi um pouco difícil ouvir que haveria um acréscimo de 20% no valor se a gente quisesse trocar os peixes por atum e salmão de um prato que originalmente tivesse também peixe branco. E tudo chegou bem rápido!


O serviço começou corretamente com as toalhinhas ferventes para limpar as mãos. Elas queimam e eu adoro isso, huhuhu~. Pedi um suco de maçã que era tão cheio da fruta que era possível ver as "fibrinhas" na borda do copo e com o tempo ele escureceu. Para comer, pedimos uma porção de gyoza (claro) que estava simplesmente perfeita! Ao vapor, bem recheado e cheio de sabor. Um dos melhores que já provei.


A segunda entrada (porque foi difícil pedir uma só) foi um carpaccio de salmão, com o peixe cortado bem fininho e temperado com um molhinho azedo que tinha laranja, castanha de caju e pimentas meramente ilustrativas. Acho o nome meio feio, pelo menos o sabor era tudibom, de fazer doer os ladinhos do rosto.


Foi difícil escolher o que pedir de prato principal também, queria pedir pelo menos uma meia dúzia de coisas. O cardápio é bem variado e tudo parecia ser legal. E SEM UMA MENÇÃO À EXISTÊNCIA DE CREAM CHEESE!
No fim fui de teishoku especial, que vinha um chawan de gohan; outro de missoshiro (que tinha gosto! ALELUIA!); salada de harusame e cenoura (que estavam azedos o suficiente para considerá-los como parte da refeição); peixe grelhado (havia várias opções, escolhi salmão porque não tinha erro e ele veio com a pele bem crocante ^^); 5 niguiris e 6 fatias de sashimi. Estes últimos me renderam um sorriso espontâneo toda vez que eu me relembrava... Cortes muito bem feitos, peixes frescos, atum vermelhinho que derretia na boca. Nossa, como eu amo isso!


Minha irmã pediu um combinado de salmão muito bonito com uma dupla de niguiri de salmão para completar. Deveria estar perfeito também. Ela elogiou muito o ponto do gohan, que estava na medida certa (porque eu sou insensível o suficiente para não notar as sutilizas de um gohan).


Tudo isso foi regado a shoyu importado que tinha menos sal, recomendadíssimo, e de cebolinha picada bem fininha. Não sei se isso é frescura minha, mas acho que fica mais gostoso assim. Dá sabor à comida bem de levinho e aos poucos. Outra coisa muito boa foi a sensação de estar satisfeito sem estar pesado. Que coisa fina!

A conta foi uma paulada, só que é daquelas que valem a pena, tipo surra de mãe. Vinha com um bancha (chá verde) de qualidade que originalmente tinha grãos de gohan torrados. Todos os detalhes pensados e bem executados, não tinha como nada dar errado.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu cheia na medida e feliz pelo resto da semana!
  • Preju: uns R$80
  • Unidade visitada:
    • Rua Jericó, 287 - Vila Madalena
    • (11) 3814-3760
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta, das 12:00 às 14:45 e das 18:30 às 23:00
    • Sexta, das 12:00 às 14:45 e das 19:00 às 23:00
    • Sábado, das 13:00 às 15:45 e das 19:00 às 23:00
    • Domingo, das 12:00 às 15:45
  • Lotação: 70 pessoas
  • Site: http://tanukisushi.com.br/_novo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…