Pular para o conteúdo principal

Hamburgueria Nacional

Depois de tanto tempo gordinhando e esquecendo, finalmente voltei à Hamburgueria Nacional para escrever este post feliz, aeeee! Ela foi uma das primeiras lanchonetes chiquetosas que fui e sempre teve um lugar especial no meu coração, mesmo depois de ter visitado tantas outras - justamente por isso precisava voltar, queria saber se minhas impressões mudariam e se o amor resistiria ao tempo.

Não me lembrava desta porção linda de bacon, por exemplo *-*
E algumas realmente mudaram! Uma delas foi o preço: ainda é caro, mas na minha cabeça era a coisa mais cara do mundo, hehe. Talvez seja por causa de tantos lugares que vi que não valeram o trabalho de tirar o cartão da bolsa. O ambiente continua lindo, mais lindo ainda se for de dia, com toda aquela luz natural entrando no recinto. O atendimento também continua bom e rápido: o pessoal pode não escorrer simpatia, mas pelo menos cumprem bem o papel deles e estão sempre circulando pelas mesas.


Não tive como não pedir o primeiro mesmo hamburguer que pedi: o de 200 gramas, bem passado, com manteiga de alho e shitake como acompanhamento adicional. A saber: tudo é adicional e vem em potinhos separados, menos o queijo que precisa vir derretido, hehe. É por isso que pedindo salada, bacon e queijo o valor do lanche sobe em uns 10 reais.
Infelizmente desta vez o alho mudou, não é mais aquela pastinha linda que empregnava a carne com amor, mas sim pedacinhos torrados. Ainda é bom, mas preferia antes. A carne ainda vem ótima, alta porém bem cozida dentro e crocante por fora. O pão é esquentado na chapa e o shitake na manteiga é tudibom (a porção foi pouca coisa reduzida, nada que faça diferença no final).

Manteiga de alho antes...
Manteiga de alho depois =/
Os outros pratos pedidos na mesa eram mais saudáveis porque esta visita foi feita em família. Se não fosse por isso, eu jamais saberia que grelhados e saladas também são muito bons! O melhor de todos foi o que a minha mãe pediu, o Sukiyaki Salada: carne, cebola e shitake cozidos como sukiyaki e alfaces americana e romana, alfafa, mini agrião, tomate cereja e mussarela de búfala. Não comi o mato, mas  o mini sukiyaki estava sensacional e farto, uma combinação que a gente jamais imaginaria e que deu muito certo. Claro que minha mãe notou que o sukiyaki foi preparado com muita manteiga e a mússarela e búfala não estava aquelas coisas, mas ela também achou o chá branco da Feel Good azedo, então não é nada que incomodaria um ser humano regular.
Puxa vida, preciso escrever mais sobre as impressões gastrônomicas da minha mãe para elevar a qualidade dos textos por aqui, hahaha.

Sukiyaki Salada
Hamburger de alho com salada e shitake
Shitake Salada
Hamburguer de alho com queijo minas e baaacon. Parece que tem
pouco alho, mas na verdade tinha mais embaixo do queijo
Sim, minha família gosta um pouco de alho e shitake, não sei se deu para perceber. Também pedimos meia porção de fritas porque uma porção inteira significaria almoçar batatinhas! É muito bem servida e as batatas são cortadas em palitos gigantes, sequinhas e crocantes, coisa de louco.


Infelizmente nunca sobra espaço para tentar uma sobremesa, mas os preços (oh, novamente estes vilões) também não encorajam estômago algum a arranjar um espacinho.

Enfim, apesar da mudança drástica na manteiga de alho (será que alimento uma vã esperança de que isto foi um erro que só aconteceu naquele dia?), ainda gosto mucho da Hamburgueria Nacional. Ainda sai satisfeita, minha família curtiu e se minha mãe aprovou é porque tá tudo certo!

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando muito e feliz como sempre! Porém peço um minuto de silêncio pela manteiga de alho...
  • Preju: 
    • Hamburger com alho: R$24,00 + shitake de R$3,50
    • Sukiayki Salada: R$33,00
    • 1/2 porção de fritas: R$13,50
    • Média de R$45,00 por pessoa
    • R$15,00 de valet 
  • Unidade visitada:
    • Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 822 - Itaim Bibi
    • (11) 3073-0428
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta e domingo, das 12:00 às 00:00
    • Sexta e sábado, das  12:00 às 2:00
  • Lotação: 200 lugares
  • Site para maiores informações: http://hamburguerianacional.com.br/blog

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…