Pular para o conteúdo principal

Flying sushi

Vamos encarar a realidade: com tanto restaurante japones com nome bobo (kanji? hiroshi? hideki? zen? aff!), ter um nome engraçado pelo menos diverte a garotada. Bem que o Flying sushi poderia fazer brincadeirinhas com o seu nome hehehe.


Depois de muita pesquisa, para no fim decidirmos ir no Tendai, chegar lá e dar de cara com a porta fechada, resolvemos ir no Flying Sushi que ficava ali na Alameda Jaú mesmo. Sabíamos que não poderíamos esperar por sushis criativos e vistosos, afinal a gente queria mesmo era encher a pança de peixinho feliz sem ter que deixar os famosos olhos da cara no recinto.

Considerando este simples objetivo, os sushis voadores (que infelizmente não vieram voando) arrasaram. Fomos prontamente atendidos e a comida chegou rápido. Não foram preparados com maestria, mas estavam bons. Também não tinha aquela frescurite de limitar os sashimis ou o shimeji. Valeram os R$34,90.


O lugar é bem pequeno e não estava muito cheio mesmo, não sei se é sempre assim ou se demos sorte. No dia que fomos tinha uma promoção maluca que, pedindo o rodízio + 9,90, era possível comer quanto sorvete Häagen-Dazs você pudesse. Pra começar, esses dias estão bem friozinhos para alguém se acabar de sorvete e depois... como comer mais alguma coisa além dos sushis e afins!? Sacaninhas hein?


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando feliz
  • Preju: o rodízio é R$ 34,90, some ainda a bebida e os 10% 
  • Unidade visitada: 
    • Jardins
    • Al. Jaú, 1.567
  • Telefone: (11) 3588-1613
  • Site para maiores informações: http://www.flyingsushi.com.br

Originalmente postado no dia 23/03/2011 aqui oh.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…