Pular para o conteúdo principal

Jiyuu Suhi

Estou muito em débito sobre lugares realmente bacanas em São Paulo para se comer comida japonesa. Assim que os dinheirinhos entram, tento experimentar um lugar novo para aumentar a lista mas é preciso muita coragem para lidar com tamanha aposta!

Fomos no Jiyuu sushi, que fica na parte um pouco menos movimentada na Rua dos Estudantes. É uma dessas portas de madeira que correm para o lado e que dá em um pequeno salão com um comprido balcão ao lado. No dia que fomos o movimento estava beeem tranquilo, no meio algum meio de feriado - ainda bem porque não há muitos lugares! Não houve nada muito emocionante no atendimento e era possível ver os pratos com peixe sendo preparados.


Começamos com um carpaccio de salmão (ainda não concordo muito com esse nome, ou quando chamam de ceviche, mas fazer o quê?) que estava bem temperadinho e com muitas fatias fininhas de limão, que davam um toque sensacional. Ainda mais para mim que adoro sabores ácidos!


Eu e minha irmã dividimos um teishoku especial (não sei se era bem esse o nome), que era mesmo indicado para duas pessoas. Vinha muita coisa! Além dos clássicos gohan, missoshiru e anchova grelhada, também tinha tempura, sashimis (que estavam ótimos!), hosomakis, uns potinhos com conservinhas que não liguei muito e...chawan mushi! Este é bem raro de se encontrar por aí: é um cozido com ovo (e que fica com cara de pudim), cogumelos, peixe, camarão e verdura. Geralmente vem um de cada item, este estava bem recheado. Já valeu pela visita!

Chawan mushi *-*

Já a minha sobrinha não teve a mesma sorte. Ela pediu uns nigiris que não vieram na mesma qualidade do teishoku, principalmente o atum (dá para perceber bastante a diferença de cor nas duas fotos). Um deles foi queimadinho demais na parte de cima que tinha gosto de gás!


Tantos pontos negativos e positivos na mesma visita me deixou confusa sobre o veredito. É um desses lugares que infelizmente não se pode pedir qualquer coisa com total confiança.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando muito e feliz com coisa boba 
  • Preju:
  • Unidade visitada:
    • Rua dos Estudantes, 166
    • (11) 3208-1159 / 3208-4181
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sexta, das 12:00 às 14:30 e das 19:00 às 23:30
    • Sábado, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:30
  • Lotação: 40 lugares
  • Visa vale? Sim! 
  • Sitewww.jiyuusushi.com.br

Comentários

  1. Miyu, você poderia me passar seus contatos por favor?
    Eu não entendi muito bem seus comentários e gostaria de conversar.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Oi Luciano! Você pode entrar em contato comigo pelo facebook (https://www.facebook.com/vaigordenha) ou pelo twitter (@vaigordenha). Abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…