Pular para o conteúdo principal

Aoyama

Minha última visita ao Aoyama foi há muuuitos anos atrás (ou talvez não tantos assim, é que não me lembro mesmo quando foi, hehe), bem antes de começar a escrever este blog gordinho e de experimentar mais lugares diferentes. Na minha lembrança era ótimo e talvez isto tenha atrapalhado um pouco quando voltei ao recinto alguns dias atrás. Ou eles mudaram!

Já peço desculpas pela qualidade lazarentinha das fotos, que foram tiradas com o celular e flash (argh!) porque o lugar era beeem escuro (o suficiente para às vezes não saber o que se estava comendo!). O serviço no geral foi rápido, às vezes dava umas empacadas e no final apareceu um super set de sushi de salmão que ninguém havia pedido e já estavam todos cheios demais para acabar com ele, que desperdício. =(


As entradas e os pratos quentes foram o melhor do rodízio. Era muita coisa e eu não vou conseguir me lembrar e identificar tudo! Gostei muito dos camarões empanados, fritos ou em recheio de trouxinhas; dos aneis de lula; dos peixes temperadinhos que insistem em chamar de ceviche; do hotroll que eu não sabia o recheio e das chapas de shimeji e shitake (wow!) que espirravam óleo na gente. Só com essa parte daria para ficar feliz, mas ainda não justificaria o preju.


Infelizmente o que deveria ser o principal da festa foi o mais fraco: os sushis. Nada muito diferente, corte e montagem na média e pra piorar O ATUM NÃO ERA VERMELHINHO! Puxa, isso me deixou profundamente decepcionada! Outra coisa mui revoltante foram os litros de cream cheese e maionese utilizados e que não deveriam estar lá.


A impressão que passou foi muita pose para pouco sushi. Apesar de ter adorado as entradas, não encaro mais esse preju de novo. A não ser que mudem de novo!


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu rolando e com falta de peixinhos no estômago 
  • Preju: só rodízio R$65, a conta mesmo por pessoa ficou bem mais pesadinha
  • Unidade visitada:
    • Praça Vilaboim, 63 - Higienópolis 
    • (11) 3666-2087
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à quinta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:30
    • Sexta, das 12:00 às 15:00 e das 19:00 à 0:30
    • Sábado, das 13:00 à 0:00
    • Domingo, das 12:00 às 23:00
  • Lotação: 96 lugares
  • Visa vale? Acho que não
  • Site: www.restauranteaoyama.com.br

Comentários

  1. Olá Bom dia.

    Meu nome é Juliana, eu fiquei curiosa quanto a você ter comentado que o Atum não era tão vermelho.

    Eu não sei se alguém já explicou a você, sobre o TORO, eu não quero bancar a chef nem nada tá bom?!! É que já aconteceu isso comigo, e depois me explicaram o porque do atum não sair tão vermelho, o TORO é a parte da barriga do Atum, ele é mais claro pois se trata da carne mais gorda do atum. No Aoyama geralmente eles usam toro, por ser uma casa de renome e tals. No caso de temakerias não confie muito no salmão claro kkkkk O quilo dele ultrapassa a casa dos R$80,00, o que não coincide com o custo beneficio dos temakis. O toro é uma especie de "picanha" do peixe sabe? A melhor parte.

    Se você tiver duvida, basta perguntar ao garçom/sushiman, eles vão poder exlicar com mais propriedade.

    ResponderExcluir
  2. Oi Juliana! Já comi toro e o que o diferencia do "resto" do atum não é só a cor não, mas a textura, a gordura e o sabor também. Ele realmente é mais claro, só que na escala do vermelho e não na escala do marrom, saca? Quando o atum está mais claro pro marrom é porque não está tão fresco assim. E no Aoyama não servem toro no rodízio, senão eles sairiam num preju danado! (mesmo com o rodízio caríssimo)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…