Pular para o conteúdo principal

O Mercado

Não consegui ir nos eventos anteriores e não poderia perder este que aconteceria no mercado municipal de Pinheiros, tão pertinho aqui de casa. A ideia do evento é sensacional: reunir chefs renomados para fazer comidas de rua de alto nível a preços bem acessíveis. Tem tanta gente que concorda com isso que toda vez uma multidão sem limites se forma! Cheguei um pouco antes da abertura e duas filas de respeito já estavam formadas.

Mesmo assim o começo estava relativamente calmo. Não demorei muito para comprar minhas fichas porque optei pagar em dinheiro, mas quem escolheu o cartão teve muito mais trabalho. Mais tarde parecia que não havia caminho fácil para os caixas e isso só reforça o ódio que eu tenho por esse esquema. Não é tão mais prático e ainda te faz gastar mais que deveria para não ter que encarar a filona novamente para trocá-las por dinheiro!


Fichas na mão, hora de ver o que tinha de bom! Claro que eu não fiz a lição de casa e mesmo que tivesse feito seria difícil lembrar de tudo e localizar as barracas. Minhas escolhas foram: mini pizza de frango com catupiry e pão de azeitonas do Chefs Especiais (estava muito boa, mas a confusão para entenderem o meu pedido foi no mínimo hilária. Pelo menos a iniciativa é bem bacana!); baião de dois de 
Lelena César e Gabi Gradim (ótimo, com muito sabor, bem preparado, em porção generosa); cone de grana padano do Chame o Chef (criativo, estava bom!); água de limão con chia do Obá (que era uma limonada, que já estava amarga, com cisquinhos que pareciam gelatina) e canollo recheados de creme da Cannoleria (estava bom, clássico, sem grandes emoções).

Alguns pratos pareciam piada, minúsculos, pouco criativos e custando o preço máximo (R$15). Não vou citar quais eram, mas só digo uma coisa: não sabe brincar, não desce pro play!

O que estragou todo o resto do dia foi meus amigos passando muito mal poucas horas depois. Até chegamos no culpado cruzando as informações (comemos quase as mesmas coisas, eu não comi e não passei mal, enquanto meus amigos comeram e sofreram), mas não vou dar mais pano pra manga, tentei reclamar e só li ladainha de gente que prefere puxar o saco dos chefs para ter um evento com comida mais barata e jogar a culpa em quem passou mal. Puxa vida, alimentos bem conservados é o mínimo que qualquer lugar que sirva comida tenha! E justamente por ser um evento que se vende como tendo chefs felizes participando, você vai lá e confia cegamente na qualidade. Disseram que estão investigando, não sei se vai dar em algo, não tive resposta nenhuma de alguma fonte "oficial"...

Depois deste episódio fica complicado encarar tanta gente, bagunça, calor e desconforto para depois acabar em um ambulatório! Por sinal, o atendimento de emergência do Shopping Eldorado (que era onde estávamos quando as vítimas começaram a cair) é muito eficiente!


Mini ficha feliz: 
  • Satisfação da gordinha: estava feliz até ver seus amigos passarem mal
  • Preju: R$40, levando pãozinho para casa
  • Endereço: 
    • Mercado Municipal de Pinheiros
    • Rua Pedro Cristi, 89

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…