Pular para o conteúdo principal

Gopala Madhava

Quem diria que um dia eu iria, por livre e espontânea vontade, em um restaurante lactovegano indiano natureba feliz? Um amigo meu marcou o almoço no Gopala Madhava porque estava com muitas saudades e eu quis muito ver qualéquiera do lugar. Antes de chegar lá, fiz a lição de casa e vi no site qual seria o cardápio do dia - e essa é uma dica muito importante, afinal há somente duas opções de prato para cada dia da semana e, no caso dos sábados, difere se o dia for par ou ímpar. Eles também mudam tudo a cada 3 meses. Outro detalhe é que imediatamente ao lado há outro restaurante chamado Gopala Hari, que tem um cardápio diferente!

Isso não tem muito a ver com comida indiana, mas é uma lasanha.
Lasanhas podem tudo, inclusive aparecerem no começo deste post
Tentamos seguir a estratégia de chegar no lugar perto do horário de fechamento, porque meu amigo disse que antes de abrir o lugar já tem fila de espera. Não deu certo, às 14:20 ainda enfrentamos uma fila respeitável e só não esperamos mais porque topamos sentar nas almofadas. Espero que tenha sido a primeira e a última vez porque tenho um problema danado para me ajeitar em certas acomodações (leia-se sou velha antes da hora e sinto muita dor na coluna e nas pernas, hahaha). Ignorando isso, a ideia não é ruim e faz todo sentido com a atmosfera do lugar, que aliás tem um cheiro peculiar de flores com incenso (ou seria incenso de flores?).


As atendentes são bem bacanas e a comida não demorou muito para chegar. Como estava lá pela primeira vez, pedi para que meu prato fosse meio a meio, ou seja, com as duas opções do dia: 1) Lasanha 3 queijos e 2) Arroz integral com beterraba, Dhal de ervilha com legumes e gengibre, Alu Gouranga (batata gratinada) e tomate recheado com soja. Ambos acompanham Pakora (empanado de vegetais que lembra muito tempura), suco do dia (no caso graviola e era refil), salada e torta de iogurte com calda de amora de sobremesa. Ufa!


Claro que eu pensei que toda aquela comida saudável seria fichinha, mas eu sai pra lá de satisfeita, viu? Foi difícil levantar da almofadinha depois desse almoção, haha! E estava tudo muito gostoso sim, nem parecia que era comida que não me faria mal depois! Uma coisa ou outra pode causar estranheza a princípio por  falta de hábito, mas garanto que nada ali era ruim. Para minha sorte, nada era apimentado também, weee!

Tudo isso por um preço fixo, sem miséria, sem desperdícios e sem frescura. Adorei o lugar e com certeza volto para experimentar mais cardápios diferentes! Daqui uns meses, quem sabe, haha.

Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu feliz e incrivelmente cheia
  • Preju:
    • Segunda à Sexta: R$ 20,00 e R$ 15,00 (meia porção);
    • Sábados: R$ 25,00 e R$ 18,00  (meia porção) ;
    • Porções extras: R$ 1,50
  • Unidade visitada:
    • Rua Antônio Carlos, 413 (altura do número 1400 da Rua Augusta) 
    • (11) 3253-3844
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à Sexta, das 11:30 às 15:00
    • Sábado, das 12:00 às 15:00 
    • Fechado aos domingos e feriados
  • Lotação: 80 lugares
  • Site para maiores informações: http://gopalamadhava.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Surah

Pelo mesmo amigo que nos levou ao Miss Korea, conhecemos o Surah, que também é um lugar de churrasco coreano só que desta vez mais perto de casa e com um esquema muito mais em conta: 30 dólares por pessoa e podendo comer tudo à vontade - inclusive dá para ser o maluquinho dos frutos do mar e se entupir só de camarão, coisa que não faço porque tenho preguiça de tirar a casca de todos e vamos combinar que uma carne fritinha é muito mais interessante, hehe.


O ambiente é todo coreano, inclusive as músicas, e foi muito bom ter novamente alguém que sabia o que pedir e ainda pedir no idioma original, haha. Há muitas mesas, muita conversa e mesmo assim os funcionários se desdobravam para atender todos. O difícil deste tipo de lugar é que eles precisam ficar de olho nas carnes das grelhas de todas as mesas, se estão boas, se precisam ser repostas, cortadas, etc. A gente não se importava de cuidar da nossa própria carne e mesmo assim sempre alguém aparecia para cuidar da nossa grelha.


Além das…